policial_baleadoO ministro da Educação, Aloizio Mercadante, disse nesta quinta-feira que o governo federal está terminando de formular um programa de bolsas para filhos de policiais brasileiros assassinados. A ideia é garantir o estudo dos jovens até o fim do ensino superior.

— Nosso objetivo é garantir a educação enquanto o jovem tiver interesse em estudar e estiver dentro da faixa de educação. Se ele estudar em escola pública e universidade pública, estamos garantindo o direito dele, se for particular, ele vai ter bolsa integral no padrão ProUni (Programa Universidade Para Todos).

De acordo com o ministro, os estudos para encontrar esses jovens, identificar a faixa etária e nível de estudo já está sendo finalizado e

Além do ensino fundamental, médio e superior, o governo também quer oferecer aos jovens cursos de ensino técnico. — Esse programa vai ser destinado também a agentes penitenciários e todos que perderam a vida trabalhando, assassinados de forma covarde pelo crime organizado. Nós temos que garantir a educação desses jovens que perderam seus pais.

Hoje 1.952 professores trabalham no sistema prisional, sendo 18% deles em cursos de alfabetização, 63% no ensino fundamental, 16% no ensino médio, 2,9% no ensino técnico e 0,1% ensino superior. Ao todo, 51. 722 presos estudam nos presídios.

Em 2013, 602 presos se inscreveram no ProUni e 1.166 inscritos se inscreveram no Sisu. Apenas 13 presos foram chamados na primeira chamada do Sisu (Sistema de Seleção Unificada).

Ensino técnico

Nesta manhã, Mercadante e o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, assinaram um acordo para oferecer 90 mil vagas do Pronatec (Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego) a presos brasileiros. Serão 35 mil vagas só este ano.

O acordo é de cooperação técnica para a inclusão de pessoas privadas da liberdade e vale para os que cumprirem penas nos regimes aberto, semiaberto, fechado e prisões previsórias. Hoje, mais de 51 mil presos já estão estudando nas cadeias brasileiras, a maioria em cursos de alfabetização e ensino médio.

Fonte: r7