O superintendente adjunto da Polícia Federal no Piauí, José Olegário Pereira Nunes (foto) e o delegado federal Alex Raniery Freitas Santos, foram presos e autuados em flagrante na madrugada deste domingo por envolvimento em briga de rua. Eles foram denunciador por terem agredido Paulo César Loureiro de Carvalho e a namorada deste Rayssa Maria Vale Caland de Abreu.

O dois delegados federais foram levados para a Central de Flagrantes por uma viatura da polícia Civil, depois de identificados numa confusão na porta do condomínio Manhatan, na Rua Tulipas, na Zona Leste de Teresina. Paulo César, a suposta vítima, apresentava hematomas no rosto que ele disse ter sido provocado por socos desferidos pelos dois delegados.

Há suspeita de que um juiz federal também tenha participado da briga, mas seu nome ainda não foi revelado.

O fato ocorreu na madrugada deste domingo, mas só agora, no início da noite, a informação vazou da Central de Flagrantes. José Olegário, o segundo na hierarquia da Polícia Federal do Piauí, foi acusado de ter provocado a confusão, após envolvimento de sua mulher Leila com a companheira de Paulo César.

[Jovens agredidos por delegados federais exibem os hematomas]

Tudo começou, segundo os relatos dos envolvidos na Central de Flagrantes, quando José Olegário e Alex chegaram ao condomínio Manhatan, acompanhados de suas esposas, para se encontrarem com amigo deles Gustavo André.

 

Na versão de Paulo César, este se encontrava na calçada com sua companheira (não se sabe se namorada ou esposa) quando ela foi agredia verbalmente pela esposa de José Olegário, no que ela perguntou: “Quem é tu, rapariga?”, para provocar reação de Leila que partiu para cima dela. Há relatos de que ambas se agrediram fisicamente, chegando a rolar pelo chão.

 

Conta ainda Paulo César  (na foto acima com a companheira) que além de Olegário e Alex, uma terceira pessoa, que estava na guarita do prédio, chegou por trás e aplicou-lhe uma ‘gravata’ fazendo com que os dois o esmurrassem violentamente. Ele exibiu os hematomas na Central de Flagrantes.

 
Ao ver a Polícia Militar chegar ao prédio, Paulo César disse que seus agressores haviam se identificado como policiais civis, o que soou estranho para os PMs que se aproximaram do grupo que se encontrava na calçada e lhes deram ordem de prisão.

 

Na versão de José Olegário, quem iniciou a confusão foi o casal Paul César, quando a companheira dele agrediu sua esposa. Olegário confirmou que a companheira de Paulo César chamou sua esposa de rapariga e sua ação foi de apaziguar os ânimos. Disse que mesmo sendo delegado federal (só se identificou na Central de Flagrantes) não usou arma de fogo.

Após prestarem depoimentos, foi feito um termo circunstanciado de ocorrência e os dois delegados federais foram colocados em liberdade. O caso vai para julgamento na Justiça.

Uma irmã de Paulo César postou a foto dele e da companheira no Facebook exibindo hematomas no rosto dele, principalmente no olho e no ombro dela. As reações no Face são contra a atitude dos delegados federais.

Fonte: Portal AZ