pericia criminalDesde o dia 04 deste mês o posto pericial da Delegacia de Polícia Civil de Jaru está desativado.

Isto significa que a partir de agora, todas as ocorrências policiais que precisarem dos trabalhos da pericia, deverão ser atendidos pela equipe de plantão do ICRIM de Ariquemes, cidade sede da Regional.

Esta decisão consequentemente resultará em prejuízos ao município, uma vez que o tempo de deslocamento de peritos daquela cidade que fica a cerca de 100 km de distância, poderá levar de 1,5 horas até cerca de 4 horas, como já aconteceu no mês de julho de 2011, quando a cidade ficou temporariamente sem perito, ocasião em que ocorreu um acidente com vítima fatal, onde o corpo de uma conhecida vendedora da cidade ficou exposto ao sol em via pública por quase quatro horas, até a chagada do perito da cidade de Ariquemes.

Procurou-se os servidores da Delegacia de Jaru para saber sobre os motivos que levaram a encerrar os trabalhos periciais do município, mas ninguém quis se manifestar. Em conversa com o Delegado Salomão de Matos, tomou-se conhecimento que o posto está fechado desde a última segunda-feira, recebendo a informação ainda, de que o Perito Leandro Teodoro está em gozo de licença-prêmio e a Perita Criminal Andréia Oertel foi para a cidade de Ariquemes, onde concorre a escala de peritos daquela Regional.

O Delegado disse ainda que o Perito Leandro apresentou uma cópia de Comunicação Interna subscrita a Direção Executiva de Polícia Civil determinando a inclusão da Perita Andréia na escala de Peritos da Regional de Ariquemes, pois teria sido desativado o posto pericial de Jaru, porém não havia informação de quem deu a ordem e a razão para tal medida, esclarecendo também que oficialmente não recebeu nenhum documento da Direção de Polícia e, em razão de tais fatos, não quis gravar entrevista ou fornecer cópia do documento que recebera extraoficialmente, limitando-se a repassar apenas estas informações.

Em contato dias anterior com o perito Leandro, este se queixou do excesso de ocorrências atendidas apenas por dois peritos, destacando a inviabilidade da realização dos trabalhos periciais naquela delegacia.

Em tese, a transferência dos dois peritos para Ariquemes, dividirá a quantidade de serviços incumbidos a eles, pois ingressarão a uma equipe de mais sete peritos.

Seguindo esta linha de raciocínio, se os dois Delegados de Polícia que o município possui, também resolverem tomar a mesma iniciativa, uma vez que desta forma eles também teriam motivos visto que neste ano atenderam juntos quase 5 mil ocorrências, nas quais menos de um terço delas foram exigidos trabalhos de peritos, veremos de vez a desativação da delegacia de Jaru.

O que muda sem a Perícia 

Além dos casos de morte em que a família poderá padecer durante horas a espera da liberação do corpo, também ocorrerá problemas relacionadas à disponibilização de Policiais Militares que terão que ficar preservando o local do acidente ou do crime por um longo período de tempo, enquanto outras situações deixarão de serem atendidas.

Ainda, todos os objetos ou drogas apreendidas que exigem perícia, serão encaminhados para Ariquemes, e nos casos de arrombamento de residências e comércios, os serviços periciais podem levar horas ou nem serem feitos. Em relação aos veículos recuperados, estes irão ficar no pátio da Delegacia de Jaru, ao relento, aguardando a perícia e entrega do laudo para serem restituídos, o que pode com isto demorar meses.

Averiguou-se que cidades menores, como Guajará-Mirim e São Miguel do Guaporé continuam tendo peritos, o que revela o desprestígio da cidade de Jaru, no qual sua delegacia atende ainda as cidades de Governador Jorge Teixeira e Theobroma, bem como seus distritos, que somam uma população superior a 75 mil pessoas, todos dependentes dos serviços prestados pelos peritos que atendem nesta delegacia. Este fato mostra um retrocesso da Polícia Civil em Jaru, exatamente no momento em que os profissionais fazem greve para obterem melhorias.

Autor: http://www.jaruonline.com.br