Os agentes penitenciários e sócio educadores desde 2011 têm recebido inúmeros benefícios do governo. É a categoria que mais tem crescido numericamente. A admissão de novos profissionais deve-se a demanda verificada no Estado e a sensibilização do governo em assegurar aos trabalhadores do setor melhores condições de trabalho, sem sobrecarga nos plantões.

Em termos de remuneração agentes penitenciários e sócio educadores também têm alcançado benefícios diferenciados de outras categorias. Em janeiro de 2011, a remuneração inicial do agente penitenciário era de R$ 996,66, com o reajuste de 6% e mais 2%, o vencimento foi para R$ 1.077,59.

Em maio, com a aprovação da Lei 2476/11, foi concedido o auxílio alimentação de R$ 160,00 e o auxílio ressocialização de R$ 140,00. Já em novembro uma nova Lei, a 2632/11, deu o direito aos agentes e sócio educadores a terem o acréscimo de R$ 100,00 de auxílio de fardamento e R$ 400,00 de auxílio por atividades penitenciárias, valores que passaram a integrar os contra cheques a partir de janeiro de 2012.

Ainda em abril o governo concedeu um reajuste de 6,5% . Desta forma, a remuneração inicial dos agentes penitenciários em 21 meses passou de R$ 996,66 para a casa dos R$ 1.147,63. Somados aos benefícios pertinentes à classe, a remuneração inicial do servidor chega aos R$ 1.947,63 mensais, resultando em cerca de 95,42% de acréscimo.

Na atualidade, o limite de benefícios para a categoria é o máximo que o governo pode conceder, explica o secretário de Estado da Justiça (Sejus), Fernando Oliveira. Segundo ele, não há como abrir mais os cofres, sob o risco de inviabilizar a administração. “Se consideramos os valores que foram dados aos servidores do sistema penitenciário, verificamos que o governos sempre esteve sensível as reivindicações apresentadas.

Fonte: http://www.rondoniavip.com.br