Os bancários de São Paulo decidiram entrar em greve por tempo indeterminado a partir da próxima terça-feira (18). Os trabalhadores consideraram insuficiente a proposta apresentada pela Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) de reajuste de 6%.

Segundo o Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região São Paulo, a proposta representa apenas 0,58% de aumento real. A categoria quer 5% de aumento real, o que significa 10,25% de reajuste salarial.

A categoria quer ainda maior participação nos lucros e resultados e revisão do piso salarial para R$ 2,4 mil. “Você tem executivo de banco que ganha R$ 8 milhões por ano”, disse Juvandia Moreira para justificar as demandas dos trabalhadores.

Assim como os colegas  de São Paulo, os bancários do Rio de Janeiro, de Brasília, Curitiba, Porto Alegre, Campo Grande, Alagoas, do Piauí, de Mato Grosso e Campinas, dentre outros, também reunidos na noite desta quarta-feira, em assembleias, rejeitaram a proposta da Fenaban e aprovaram greve nacional a partir da próxima terça-feira por tempo indeterminado. Eles voltam a se reunir em assembleias na próxima segunda-feira (17).

Fonte: Jornal do Brasil