O presidente do Supremo Tribunal Federal, Carlos Ayres Britto, negocia com o governo um aumento para os servidores do Judiciário. Há duas semanas enviou técnicos ao Ministério do Planejamento para exibir a defasagem salarial. O Planalto diz que, se privilegiar o Judiciário, passará a ser pressionado por outros setores com reivindicações semelhantes. Britto se queixa de que a corte perde funcionários por causa dos salários, que considera pequenos. Uma consulta ao departamento de recursos humanos do Supremo demonstra a alta rotatividade dos contratados desde 2008. Na carreira de analista judiciário, metade dos admitidos para atuar com sistemas de informação se demitiu durante o período. Eles recebiam R$ 6.551. Entre os técnicos judiciários, com salários de R$ 3.993, um terço saiu.

Fonte: Época