Preocupado com a crescente onda de assaltos e explosões de caixas eletrônicos nas agências bancarias, e agora a nítida tendência dos criminosos em tomar funcionários e clientes como reféns, o Sindicato dos Bancários e Trabalhadores do Ramo Financeiro de Rondônia (SEEB/RO) protocolou, na manhã da quarta-feira (11/7), ofícios a representantes da Secretaria Estadual de Segurança, Defesa e Cidadania (SESDEC) e ao Comando Geral da PM, onde exigiram o aumento do efetivo policial em todo o Estado, especialmente nos municípios mais afastados da BR-364, que tem se tornado o palco preferido dos criminosos.
O documento foi encaminhado ao Secretário Marcelo Bessa e ao Comandante Geral da PM, Coronel Paulo César de Figueiredo, pelo presidente do SEEB/RO, José Pinheiro, e pelo Secretário Geral, Euryale Brasil. 
“Queremos uma resposta imediata das autoridades de segurança pública para pôr um fim nestas ações criminosas que praticamente se tornaram rotina no Estado. Precisamos garantir a integridade física e psicológica dos funcionários, clientes e usuários do ramo financeiro, bem como da sociedade em geral. E precisamos disso com urgência”, comenta o sindicalista.
O Sindicato destacou que, somente nestes primeiros seis meses de 2012, inúmeras agências bancárias, cooperativas de crédito e casas lotéricas foram palco da ação cada vez mais freqüente dos criminosos. Ele cita, como exemplo, os crimes cometidos no Bradesco de Ariquemes, no Bradesco da avenida Carlos Gomes (Porto Velho), Banco do Brasil de Nova Brasilândia, Banco do Brasil de Machadinho, Banco do Brasil da avenida Jatuarana (Porto Velho), e agora as agências do BB em São Miguel do Guaporé e a explosão de caixa eletrônico de Monte Negro.
Pinheiro também voltou a atribuir aos próprios bancos e unidades do sistema financeiro uma parcela de culpa pelo aumento no índice deste tipo de crimes. Para ele, os bancos também contribuem com a ação dos criminosos indiretamente, já que insistem em não cumprir com os pontos da Lei Estadual 2.530/2011, que trata da segurança bancária.
“Os bancos precisam instalar os mecanismos de segurança, como portas giratórias com detector de metais, biombos nos caixas, vidros blindados e câmeras de alta resolução para a vigilância intera e externa 24 horas por dia. Só assim os bandidos se sentirão mais intimidados antes de cometer algum crime nos bancos e fora deles”, acrescenta Pinheiro.
VISITA Os diretores Clemilson Farias (Imprensa) e Wanderson Modesto (Saúde) visitaram a agência do Banco do Brasil em Monte Negro – palco da ação de criminosos que explodiram dois caixas eletrônicos – para dar o suporte total aos trabalhadores que vivem com o clima de tensão e medo que impera naquela e em todas as agências bancárias do Estado.
“Estamos atentos a estes casos que, na maioria das vezes, tem deixado os funcionários atônitos com esse clima de insegurança total que se criou com esta onda de crimes dentro e fora das agências. Portanto, é de extrema importância que estejamos sempre juntos com os trabalhadores, dando esta atenção e todo o suporte que for necessário para, pelo menos, amenizar um pouco o sofrimento físico e psicológico destes pais e mães de famílias que agora vivem sob um constante clima de medo e terror”, mencionou Clemilson.

Fonte: tudorondonia.com