Como os companheiros vêm acompanhando o adicional de insalubridade sofreu nesses tempos grandes riscos de não ser pago. Em certo momento foi até retirado da folha, mas por mobilização da classe e dos sindicatos houve manutenção até o julgamento do recurso.

A notícia que deixa todos apreensivos é que provavelmente haverá decisão amanhã se o adicional é suspenso ou não. A boa notícia, que nos deixa mais esperançosos é que o Desembargador Walter Waltenberg, o mesmo que concedeu a suspensão do referido adicional está de férias e em seu lugar está a juíza Duília Sgrott Reis. Para os que não sabem foi essa juíza que no ano passado determinou a imediata implantação da insalubridade para todos da Polícia Técnica, ainda para àqueles que não estivesse na ação inicialmente.

Conversei com alguns assessores e há chances da juíza mudar o voto do Desembargador, o que poderia mudar o cenário, pois já partiríamos com um voto a mais.

Em primeira instância a execução da insalubridade já foi suspensa, ou seja, quanto a formação dos precatórios, cálculos, por ora não se fala, isso até o julgamento final da ação rescisória que suspendeu em medida de urgência o benefício. Vejam o último despacho da juíza de primeira instância no último dia 8:

Considerando os argumentos do Estado de Rondônia, bem como o teor do ofício nº 646/2012 – 2º DEJUESP, decorrente da concessão de efeito suspensivo nos autos da ação rescisória, resta prejudicado o pedido do Autor para o pagamento do adicional de insalubridade com base no vencimento do cargo efetio. Suspendo a execução do julgado e determino o arquivamento dos autos em cartório até o julgamento da ação recisória 0000906-84.2012.8.22.0000. Porto Velho-RO, quarta-feira, 2 de maio de 2012. Inês Moreira da Costa. Juíza de Direito

Ficamos na torcida, lembro ainda que o julgamento amanhã é público. Diante disso, os amigos que quiserem acompanhar a votação poderão comparecer na sessão.