A declaração do governador Beto Richa (PSDB) de que os soldados da Polícia Militar não precisam de curso superior gerou polêmica no meio político e provocou reações contrárias em entidades da categoria. Richa afirmou em entrevista à rádio CBN, na quinta-feira que os policiais com mais instrução estão mais sujeitos à insubordinação.

A declaração do governador Beto Richa (PSDB) de que policiais militares com diploma de curso superior normalmente são mais insubordinados segue causando polêmica. A afirmação foi feita durante entrevista à rádio CBN na quinta-feira (26).


“Isso demonstrou não ser uma boa iniciativa [a exigência de diploma de curso superior para ingressar na PM] porque você desestimula os jovens que querem entrar na polícia, principalmente os egressos do serviço militar. [Eles] saem [do serviço militar] com 18, 19, 20 anos e não têm curso superior ainda. Essas pessoas estão mais preparadas, teoricamente, do que as outras. Já passaram por boa formação nas Forças Armadas, no Exército, e podem dar uma grande contribuição ingressando na nossa Polícia Militar, por exemplo. Outra questão é de insubordinação também, uma pessoa com curso superior muitas vezes não aceita cumprir ordens de um oficial ou um superior, uma patente maior”, disse o governador na entrevista.

A frase do governador foi uma resposta às associações que representam os policiais militares, que queriam que o governo passasse a exigir diploma dos que entram na corporação.
O presidente da Associação de Defesa dos Direitos dos Policiais Militares (Amai), coronel Eliseu Furquim, afirmou que a declaração de Richa repercutiu mal para boa parte da categoria. “Acho que ele (Richa) foi infantil. Não é possível que o governador deseje que a Polícia Militar do Paraná não progrida”, afirmou. “Posso afirmar que boa parte da Polícia Militar não concorda com a declaração de Richa. Os que apoiam essa postura são os que ainda têm medo de progredir e têm medo do desconhecido”, disse Furquim.
Uma audiência pública para discutir a implantação da Emenda 29 ocorrerá na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) na manhã de quarta-feira (2). “Vamos à Alep na quarta e pediremos o apoio dos deputados contra a declaração de Richa”, afirmou o coronel.
Em defesa do governador, a assessoria de imprensa alega que a declaração foi retirada do contexto da entrevista. “O que eu disse é que retiramos a exigência do diploma para dar oportunidade aos mais jovens que ainda não concluíram o curso superior”, disseBeto Richa, por meio do Twitter.

Fonte: jornale.com.br