Os trabalhadores em educação estaduais, reunidos em assembleias simultâneas em todas as Regionais na última quinta-feira (16) decidiram, por unanimidade, decretar greve geral na educação a partir do dia 23.

A categoria decidiu permanecer com as atividades paralisadas até o dia 1º de março, quando o governo do Estado promete mais uma rodada de negociações.

Os profissionais da educação já haviam manifestado em assembleias anteriores a disposição para a greve, mas decidiram apresentar ao governo uma última contraproposta contendo as reivindicações da categoria.

No dia 15, o secretário de Estado da Educação, Julio Olivar, respondeu com um ofício informando que o governo não teria como atender às reivindicações. Na quinta-feira, dia 16, o governo encaminhou ao Sintero um novo ofício, desta vez assinado pelo secretário Chefe da Casa Civil, Juscelino Moraes do Amaral, convidando o sindicato para uma reunião dia 28 em Brasília com a ministra do Planejamento, Mírian Belchior, e marcando uma nova audiência para o dia 1º de março, para tratar das reivindicações.

O presidente do Sintero, Manoel Rodrigues da Silva, leu o ofício do governo perante os milhares de trabalhadores em educação que participaram da assembleia.

A categoria entendeu que a educação não pode mais esperar, e que o governo do Estado possui meios de atender às reivindicações, principalmente de reajuste salarial, aumento das gratificações, pagamento da licença prêmio e reformulação do plano de carreira.

Para os trabalhadores em educação, a espera pelo plano de carreira e por valorização já dura mais de um ano, pois são itens que constam do termo de compromisso do governador Confúcio Moura com a educação, assinado ainda em 2010, para ser cumprido em 2012.

A categoria reclama que o governo vem protelando a solução dos problemas na educação, e com isso o tempo vai passando e os salários estão cada vez mais defasados.

Na assembleia os trabalhadores decidiram que a direção do Sintero deve cumprir a legislação e encaminhar ao governador e à Seduc uma comunicação contendo a decisão das assembleias.

Também ficou decidido que a partir do dia 23 até o dia 1º os trabalhadores passarão a fazer atos públicos e protestos em frente ao Palácio do Governo e em frente à Seduc. No interior serão realizados protestos nas praças públicas e nas Representações de Ensino.

Nesse período é possível que caravanas de trabalhadores em educação de todo o Estado se desloquem para a Capital, onde se concentrarão os maiores protestos.

Uma nova assembleia será realizada dia 1º de março, após a rodada de negociações. Caso o resultado não seja satisfatório, a educação poderá entrar em greve por tempo indeterminado.

Fonte: rondoniaovivo.com